quarta-feira, 12 de maio de 2010

Suspiros, café e meias brancas

Suspirou por lembrar que um dia passa rapido, tentando satisfazer seus caprichos naquela manhã chuvosa, acordou mais cedo e pois-se a divagar no sofá enquanto segurava uma xicará de café.

Duas da tarde, o cheiro de carne fresca que vinha de fora lhe virou o estômago, não sentia a fome, talvez sentisse uma vontade de comer, mas era nula sua vontade de levantar. Olhava para suas meias brancas de algodão enfiadas até a canela, sentia-se feliz pois seus pés estavam aquecidos.

Um barulho no portão despertara sua atenção. "Alguem podia atender a porta." pensou ele. Levantou-se lentamente colocando os pés no chão, abriu a janela e olhou pela fresta, reconheceu sua antiga namorada parada com os braços cruzados, com um ar apreensivo segurando uma sacola plástica amarela. Rapidamente ele abriu a porta e caminhou até o portão, ao perceber ela puxa um cigarro da bolsa e na tentativa de acender suas mãos trêmulas derrubam o isqueiro, agachando-se ao chão ele levanta acendendo o fumo da moça enquanto convida-a para entrar em sua casa puxando-a pela mão.

Trinta minutos se passaram. Os dois rolavam no tapete completamente nús, suados grudando suas mãos umas nas outras se beijavam, enquanto ele a penetrava puxava seu cabelo loiro lavado até os últimos fios quebrarem em seus dedos. Sem proferir se quer uma palavra, ambos esgotados rolavam um pra cada lado no piso frio da sala. A sacola plástica amarela permanecia intacta em cima da mesa. Vestindo sua cueca ele levanta, segue até a cozinha enche sua xícara de café, enquanto ela acende outro cigarro de joelhos no chão. Ao notar uma leve curiosidade dele em relação a sacola plástica em cima da mesa, ela manda-o abrir com cuidado, para por fim chegar ao verdadeiro motivo que a levou à sua casa. Ele mata o café que restava na xícara branca de porcelana, e pega a sacola na mão, desmanchando o nó ele faz cara de suspense olhando fixamente para ela. Ela diz "não se reprima, faça força homem!" enquanto levantava para ajuda-lo. Com um sutil gesto das mãos indicando para ela não vir, ele senta no sofá e finalmente abre a sacola. Num espasmo de espanto arremessa a sacola pra longe e corre pra cozinha lavar suas mãos.

Quatro da tarde, o sol ja começa a beijar o chão no horizonte, os pássaros se aglomeram nas telhas quebradas do telhado, e o vento abre a janela do quarto batendo-a com força na parede, quebrando o silêncio que pairava na casa.
- Que diabos você foi fazer? O que você esperava que eu fosse pensar? ele disse coçando a cabeça com um olhar profundamente assustado.
- Era isso que você mais gostava nela, seus seios não estou certa? retrucou a moça enquanto vestia seu sutiã e continuou:
- Ai estão na sacola pra você!
- Você é doente!
- A minha sorte é que você também é!
- O que você fez com o corpo?
- Que corpo?
- Como assim que corpo porra? Ela não está morta?
- Não! Pelo menos por enquanto. Amarei ela no porta malas do carro do teu irmão.
- Puta que pariu! Na nossa Chevy preta porra? Vai sujar tudo caralho!
- Foda-se, não pedi pra você parar de olhar pro seios daquela rapariga depois da festa aquele dia?
- Merda menina isso foi a oito meses atrás. Você não perdoá nada?
- Odeio perdão. Nunca pedi e nunca dei.
- Porra! Que merda... - disse ele suspirando enquanto sentava novamente no sofá esticando suas pernas.
- Você gostou das minhas meias?
- Adorei! Você fica bem de branco!

3 comentários:

  1. Aaaaaaaah que demais! Adorei! Super excêntrico! Beijobeijo :*

    ResponderExcluir
  2. melhor blog hehe vini manda bemzaço

    ResponderExcluir
  3. Um texto forte e realista!
    Parabéns!

    ResponderExcluir